Black Friday: compra pelo celular pode ser mais segura, veja dicas

Alexandra Marques
Por Alexandra Marques novembro 27, 2014 09:54

Black Friday: compra pelo celular pode ser mais segura, veja dicas

Com a chegada da BlackFriday (data em que o varejo faz promoções), na próxima sexta-feira (28), os “descontos imperdíveis” tendem a incentivar os consumidores a colocarem a mão no bolso. Mas se você é daqueles que não tem tempo ou mesmo paciência para enfrentar as filas das lojas físicas, a compra pela internet pode ser uma opção. E entre o celular e o computador, João Carlos Lopes, professor de Engenharia de Computação do Instituto Mauá de Tecnologia, cita o smartphone como meio que pode ser um pouco mais seguro. Veja essa e outras dicas para não cair em uma cilada durante as compras.

“O principal golpe dos hackers é a criação de sites falsos, que são mais raros na versão mobile”, explica Lopes. Essa tentativa de enganar os consumidores é usada em golpes do tipo phishing, que visam “pescar” informações e dados pessoais importantes do usuário, tais como dados bancários e de cartões de crédito.

Ampliar

Conheça cuidados ao fazer compras pela interne

Ainda que “bem mais difícil” de haver sites falsos nos smartphones, Rovercy de Oliveira, especialista em segurança da informação da consultoria Real Protect, afirma que isso não é impossível. Segundo ele, a migração dessas páginas falsas para a versão mobile é uma questão de tempo. Oliveira ressalta ainda que o meio mais seguro de compra virtual depende de diversas variáveis.

“Se você tiver um celular com sistema iOS e um computador Windows desatualizado e sem antivírus, obviamente o dispositivo móvel é mais seguro”, exemplifica o especialista, que define o celular como uma versão portátil do computador. “Ou seja, acaba herdando as mesmas fragilidades do computador”. Para ele, os dispositivos da Apple –iPhones, iMac, MacBook, iPads– são mais seguros dos que os de outras marcas, mas isso não significa que estão imunes à ação dos maliciosos.

Independente se a compra vai ser realizada pelo computador ou pelo celular, o professor da Mauá diz ser importante manter o sistema operacional –seja ele qual for– atualizado, além de ter antivírus. Ainda que cubram possíveis brechas de segurança, a eficiência dessas medidas também está diretamente relacionada a uma educação digital (nome dado para os hábitos do internauta na rede). “Nunca clique em e-mails promocionais sem ter certeza sobre o destinatário. Em caso de dúvida, o melhor é deletá-lo”, orienta Lopes.

Dicas
  • 1.

    Não faça compras virtuais em celulares ou computadores desconhecidos

  • 2.

    Mantenha o sistema operacional do computador ou do smartphone atualizado

  • 3.

    Certifique-se que os dispositivos tenham um antivírus

  • 4.

    Duvide de todo e qualquer e-mail promocional recebido

  • 5.

    Ative o serviço que o informa via SMS sobre toda transação financeira feita

  • 6.

    Antes de efetuar a compra, pesquise mais sobre a reputação do fornecedor

  • 7.

    Consulte a lista de sites não confiáveis do Procon

  • 8.

    Atente-se às especificações do produto

  • 9.

    Verifique as políticas de garantia e de troca do fornecedor

  • 10.

    Se o produto não foi entregue, tente o estorno do valor pago

  • 11.

    Recorra as administradoras do cartão caso o fornecedor não responda

  • 12.

    Não deixe de registrar a queixa no Procon sobre a loja virtual

“Se receber a promoção de uma empresa que não costuma te mandar e-mails, o melhor é apagá-la antes mesmo de abri-la, até porque há arquivos maliciosos que basta serem abertos para se instalarem nos dispositivos”, completa o consultor da Real Protect, que recomenda que o usuário, antes de clicar em qualquer link, coloque o mouse sobre ele e identifique sua origem.

É importante ainda, segundo Lopes, procurar referências sobre o fornecedor, verificando a existência de reclamações contra ele, além de se atentar às especificações do produto e às políticas de garantia e de troca. “Isso vai ajudá-lo a evitar problemas futuros com a compra.” O professor também sugere que o consumidor procure o seu banco para ativar o serviço que o informa via SMS sobre cada transação financeira realizada. “Isso identifica com mais agilidade possíveis clonagens, possibilitando pedir o cancelamento das compras.”

Fonte: UOL

Alexandra Marques
Por Alexandra Marques novembro 27, 2014 09:54
Escreva um comentário

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda!

Deixe-me contar uma história triste! Não há comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar esse artigo.

Escreva um comentário
Ver comentários

Escreva um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos requeridos estão marcados*

COMENTÁRIOS RECENTES

  • Todi

    Todi

    Ótimo obrigado.

    Ver artigo
  • Victor

    Victor

    Fiz os treinamentos de Excel Básico e Intermediário. Ambos são excelentes e proporcionam um ótimo domínio da ferramenta para que…

    Ver artigo
  • PL

    PL

    Ajudou pacas, muito prático. vlw.

    Ver artigo

AGENDA

ENCONTRE-NOS NO FACEBOOK

CADASTRE-SE PARA NOVIDADES